Alerta: falta patologistas no Brasil

Demanda de exames imprescindíveis para a saúde, como a biopsia, aumentou

Compartilhe

Receba nossa newsletter
Novembro de 2015 Edição do Mês

Por Keila Marques


 

Responsáveis por identificar os tratamentos mais adequados para os pacientes, os patologistas têm entre suas funções o diagnóstico do câncer, ao definir se o tumor é maligno ou benigno. São também os profissionais que decidem se um órgão é adequado ou não para transplante, além de terem papel protagonista no tratamento dos pacientes transplantados e em doenças inflamatórias e infecciosas.

Para o médico patologista e secretário geral da SBP, Ricardo Artigiani, não faltam patologistas no Brasil neste momento, porém com o aumento do número de alunos nas faculdades de medicina, a preocupação é que os patologistas não acompanhem a demanda. “Sem este profissional, os diagnósticos de diversas doenças não podem ser realizados. O número de patologistas precisa seguir o crescimento de outras especialidades para que não faltem profissionais no futuro. Com o aumento de médicos de outras disciplinas a demanda para os patologistas cresce e a preocupação é que não existam especialistas suficientes, principalmente em lugares longe dos grandes centros urbanos com oferta de exames e médicos”, diz.

Segundo pesquisa do Conselho Federal de Medicina (CFM) e do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), há 2.006 patologistas no Brasil, o que corresponde a 0,75% do total de médicos. A pediatria, por exemplo, é a especialidade mais numerosa, com 30.112 titulados.

Ainda, para Artigiani, os números demonstram que a adesão à especialidade ainda está longe do ideal. “Falta divulgação da patologia principalmente nas universidades. Os alunos não têm conhecimento profundo sobre o que faz o médico patologista e falta de incentivos na graduação”, comenta.

Sobre o perfil do patologista, a pesquisa aponta discreto predomínio de mulheres (54,54%) e idade média é de 47,69 anos.

Sobre a SBP

Desde 1954, a Sociedade Brasileira de Patologia (SBP) atua na defesa da atuação profissional dos patologistas, oferecendo oportunidades de atualização e encontros para o desenvolvimento da especialidade. Desde sua instituição, a SBP tem realizado inúmeros cursos, congressos e eventos com o objetivo de elevar o nível de qualificação da especialidade. Para adquirir a competência necessária, o patologista passa por um treinamento de no mínimo três anos, estudando casos e realizando exames sob supervisão, até sua formação ser completada.

A atuação política da SBP junto às demais entidades médicas foi fundamental para a aprovação da Lei do Ato Médico, especialmente em relação à inclusão de artigo que estabelece exames anatomopatológicos como atos privativos de médicos. A recente Resolução CFM 2.074/2014 foi baseada em proposta da SBP, para disciplinar as responsabilidades médicas no exercício da especialidade e, sobretudo, para exigir relações profissionais éticas, sem viés comercial, em benefício do paciente.

 

Notícias Relacionadas