Mais de 68 mil brasileiros serão diagnosticados com câncer de próstata em 2014

Dados da Sociedade Brasileira de Urologia revelam que ainda há preconceito em relação aos exames

Compartilhe

Receba nossa newsletter
Novembro de 2015 Edição do Mês

Por Keila Marques


 

Câncer de próstata é mais incidente que o câncer de mama e programa da Carelink atua com foco em prevenções relacionadas à saúde do homem. Paciente relata que trocou o preconceito por muito mais tempo de vida

Em 2014, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), estimam-se 68.800 novos casos de câncer de próstata no Brasil, sendo a segunda causa de morte por câncer entre homens, atrás apenas do câncer de pulmão.

Diante disso, orientar e conscientizar a população masculina sobre a importância do exame de toque retal e PSA, visando o diagnóstico precoce do câncer de próstata e outras doenças são os objetivos da Campanha Novembro Azul realizada por diversas entidades durante todo o mês.  O movimento surgiu na Austrália, em 2003, aproveitando as comemorações do Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata, celebrado em 17 de novembro.

De acordo com o clínico geral da Carelink, Alberto de Oliveira Júnior, o diagnóstico precoce é hoje a arma mais poderosa. “Quando descoberto nos estágios iniciais, as chances de cura da doença são muito mais altas, em torno de 90%. Fazer os exames de rotina é uma das formas de prevenção deste tipo de câncer, que é mais incidente que o câncer de mama”, explicou.  Conforme pesquisa do Inca, a estimativa 2012/2013 apontou 60.180 novos casos de câncer de próstata e 52.680 de mama.

Segundo Oliveira Júnior, o exame de sangue para a dosagem do antígeno prostático específico (PSA) deve ser realizado anualmente por homens a partir dos 45 anos, além dele, é importante também o exame de toque da próstata, porém, dados da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) revelam que ainda há preconceito em relação aos exames – 44% dos homens no Brasil nunca foram ao urologista e apenas 32% dizem já ter feito exame de próstata.

O aposentado da área de informática, Rógenes Sândalo, de 63 anos, integra o programa da Carelink e relatou que descobriu a doença em estágio bem inicial, por realizar anualmente os exames de rotina e preventivos desde os 48 anos. “Muitos homens morrem por terem preconceito; eu fui contra isso e a prevenção me salvou. Troquei o preconceito por muito mais tempo de vida”, comemora.

Sintomas e fatores de risco

O médico da Carelink informa que no estágio inicial, o câncer de próstata não costuma apresentar sintomas. “Dificuldade para urinar pode ser sintoma de câncer, mas também de hiperplasia benigna. De qualquer maneira, é sempre recomendável consultar um urologista com o objetivo de fazer o diagnóstico precoce”, afirma Oliveira Júnior.

É importante o paciente também observar se apresenta os seguintes sintomas: urinar pouco de cada vez; urinar com frequência, especialmente durante a noite, obrigando-o a se levantar várias vezes para ir ao banheiro; dor ou sensação de ardor ao urinar; presença de sangue na urina ou sêmen e ejaculação dolorosa.

Dentre os fatores de risco, o Inca destaca a idade, já que aproximadamente 62% dos casos diagnosticados no mundo ocorrem em homens com 65 anos ou mais. A etnia e a história familiar da doença também são consideradas fatores de risco, além do tipo de dieta da pessoa e a obesidade.

Grupo especial para saúde do homem

A Carelink se preocupa com as condições de saúde e bem-estar de forma geral, por isso, conta com diversos programas de orientações, entre eles, um especialmente direcionado à saúde do homem e suas doenças específicas.

O programa acompanha a saúde do homem e o orienta para uma vida mais saudável. A prevenção também é abordada no grupo que trabalha não só com homens que têm a doença, mas também com os que têm um fator de risco elevado, como casos da doença na família. “Incentivamos hábitos de saúde e contatos médicos frequentes para prevenir ou detectar com precocidade, o que ajuda no tratamento, na cura e, inclusive, na redução dos gastos médicos”, explicou Oliveira Junior.

Já os pacientes com câncer são acompanhados pelos médicos e administradores do grupo em todas as fases da doença, o que se aplica a exames, alimentação, internações, terapias individuais e em grupo, além de outras complicações com o sistema burocrático do hospital que podem vir a surgir.

Ao iniciar o programa, uma avaliação é feita para analisar as condições de saúde, estilo de vida e outros fatores que possam influenciar. Uma equipe médica e administrativa especializada oferece todo o apoio necessário para cada fase, estimulando uma maior participação do usuário na gestão de sua saúde, fornecendo conselhos e indicação de prestadores. Além dos contatos periódicos individuais, o programa inclui uma comunicação orientada para a situação atual de cada paciente.

“Desde 2011, após finalizar as sessões de radioterapia, os médicos da Carelink têm realizado um trabalho muito bom de acompanhamento junto a mim. Sou bem assistido, o que ajuda muito a dar continuidade na atenção com minha saúde”, destacou Sândalo.

Sobre a Carelink

Oferece suporte para empresas e seus colaboradores para que todos tenham o melhor aproveitamento do sistema de saúde. Integrando a empresa, com sua operadora de plano de saúde e a rede de prestadores criando uma relação mais saudável e sustentável, estimulando o uso racional dos recursos.

 

Através de uma equipe qualificada, experiente no mercado e tecnologia, desenvolveu um sistema próprio de gestão de saúde que atende 614 mil pessoas. Assim, conta com ferramentas e soluções para gerar informações personalizadas que, juntas aos serviços apropriados, irão alcançar resultados mais eficientes e pessoas mais satisfeitas. Um futuro com menos imprevistos, eventualidades e prontos-socorros.

 

Notícias Relacionadas