AxisMed registra crescente procura por programas de Gestão de Saúde Populacional

Esse programas são responsáveis por fazer o diagnóstico do paciente e estimulá-lo a melhorar o seu estado de saúde, por meio de acompanhamento e automonitoramento.

Compartilhe

Receba nossa newsletter
Novembro de 2015 Edição do Mês

Axismed


 

Com o aumento da incidência de doenças crônicas e do custo proporcionado por passagens em prontos-socorros e internações clínicas, as empresas brasileiras ampliam a preocupação em disseminar bons hábitos e mudar as rotinas de saúde de seus funcionários e colaboradores. Mas para esta missão ser realmente eficaz, o passo inicial é um preciso diagnóstico da equipe, com um banco de dados completo para detectar a necessidade de cada profissional e promover ações mais customizadas.

Atenta a essa realidade, a AxisMed registra uma crescente procura por seus programas de Gestão de Saúde Populacional (GSP) para o mercado corporativo. “Contratar um plano de saúde e entregar o livro com a relação dos médicos já não é mais suficiente. É preciso estar junto do profissional para ajudar a combater os maus hábitos e manter uma vida saudável, estimulando-o a automonitorar suas condições clínicas”, destaca o diretor executivo Fábio de Souza Abreu.

Doenças crônicas como hipertensão, diabetes, problemas cardíacos e respiratórios podem resultar na alta rotatividade dos colaboradores, elevação das taxas de afastamento e crescimento do absenteísmo. “Por isso, afetam diretamente o fluxo da rotina de trabalho e o orçamento dos setores das empresas”, complementa.

Após esse minucioso estudo, identifica-se o grupo de pessoas apto a participar do programa de GSP e informações completas desses pacientes (faixa etária, histórico de consultas, internações e também de doenças na família, entre outros dados relevantes) são inseridas em um software. Em seguida ocorre o contato com o paciente. A AxisMed confirma o diagnóstico e prepara um plano de ações para estimulá-lo a melhorar sua condição de saúde. A partir daí, é realizado um acompanhamento sistemático – com contatos telefônicos, verificação da aderência aos tratamentos indicados e, dependendo da gravidade, visitas regulares de enfermeiros. “Em média, o monitoramento dura cerca de 24 meses”, informa Abreu.

Resultados práticos

Quando o assunto são doenças crônicas, a intenção é fazer com que o paciente tenha uma vida normal, controlada e com menor risco. Consciente de que precisa adotar medidas preventivas e mudar seus hábitos, ele reduz idas às unidades de saúde, internações inesperadas e consultas de emergência. Os resultados clínicos e financeiros são evidentes. 80% dos pacientes crônicos aderem aos programas, diminuindo os atendimentos em pronto-socorros em 66% e as internações em até 50%. O índice de satisfação é superior a 90%.

“Mudar hábitos inadequados não é tarefa fácil para a maior parte das pessoas. Quase sempre elas não dispõem de instrumentos adequados para validar seus esforços diários e não contam com apoio de alguém que as acompanhe efetivamente, apoiando conquistas e fracassos. Procuramos preencher essas lacunas, assistindo o paciente de forma contínua”, destaca.

Sobre a AxisMed

A AxisMed trouxe ao Brasil técnicas e conceitos pioneiros em prevenção e de assistência integral a doentes crônicos, com a meta de incentivar a população a monitorar suas condições clínicas e ampliar a interação médico-paciente, tranquilizando os familiares e reduzindo o índice de internações desnecessárias. Com a combinação entre padrões internacionais de gestão de saúde e de tecnologia da informação, reúne cerca de 350 profissionais, entre enfermeiros, assistentes sociais, psicólogos, fisioterapeutas e nutricionistas. Já atendeu cerca de 200 mil participantes nos últimos dez anos. 

Notícias Relacionadas