Inovações garantiram detecção mais precisa do câncer de mama

Para o dia da mamografia, 5 de fevereiro, conheça as principais evoluções deste exame, que foi o primeiro a verificar a existência de algum tumor nas mamas.

Compartilhe

Receba nossa newsletter
Novembro de 2015 Edição do Mês

GE Healthcare


 

 

O diagnóstico precoce é muito importante para a indicação dos melhores tratamentos para diversas doenças. Para o câncer de mama não é diferente. Em pacientes em que o tumor ainda não é palpável, ou seja, com menos de 1 cm, as chances de cura podem chegar à 95%. Para o dia da mamografia, 5 de fevereiro, conheça as principais evoluções deste exame, que foi o primeiro a verificar a existência de algum tumor nas mamas.

Segundo a Dra. Sílvia Sabino, médica radiologista do Departamento de Prevenção do Hospital de Câncer de Barretos, os médicos esperam que as inovações em mamografia busquem aliar dois pontos: conforto para a paciente, por meio de equipamentos mais ergonômicos e soluções de redução de stress, e qualidade de imagem, obtendo-as cada vez mais nítidas para um diagnóstico mais acurado.

Neste contexto, para a médica, um dos avanços na área de mamografia foi a tecnologia digital, lançada pela GE Healthcare pela primeira vez no mundo no ano 2000. “Esta tecnologia adicionou mais nitidez aos exames e a possibilidade de manipulação da imagem, com alteração de brilho, contraste e ampliação da mesma , sem a necessidade de novas exposições da mulher à radiação ionizante ou novas compressões mamárias”, explica a médica.

A especialista salienta que outra grande inovação foi a mamografia 3D, ou tomossíntese, com a qual é possível obter imagens em "fatias" da mama, retirando as sobreposições teciduais e evitando a necessidade de novos exames. Essa técnica beneficia principalmente as mulheres com mamas densas, ou seja, aquelas que possuem mais tecido mamário do que adiposo. Nessas pacientes o diagnóstico é mais complexo, já que o tecido denso pode ocultar um eventual tumor.

Outro avanço importante é a mamografia com contraste, que segundo a Dra. Sílvia ainda precisa de mais divulgação para os médicos, salientando suas vantagens e a disponibilidade do método. Esse equipamento é utilizado diante de uma lesão inconclusiva durante o exame de mamografia. O médico pode aplicar um contraste durante o procedimento e obter um resultado ainda mais preciso, sem a necessidade da paciente retornar para outros exames. “Se o nódulo for uma lesão maligna — por ser naturalmente mais vascularizado –, identifica-se o tumor na imagem”, esclarece a médica.

Conforto para o paciente

Inovações em mamografia não se restringem apenas em aprimorar a qualidade da imagem e do diagnóstico, mas também no conforto da paciente. O Hospital do Câncer de Barretos foi o primeiro do Brasil a adquirir a tecnologia SensorySuite da GE Healthcare, uma solução para salas de exame de mamografia que oferece técnicas de imersão em realidade virtual para estimular os sentidos da mulher, por meio de experiências olfativas, visuais e sonoras que proporcionam relaxamento, desviando a atenção e ajudando a reduzir o desconforto.

“Com o SensorySuite comprovamos que, das 160 pacientes entrevistadas, 93% recomendariam às amigas e 98% retornariam para realizar um novo exame”, mostra a Dra. Silvia. Além disso,  85% das pacientes que já realizaram a mamografia com a solução consideraram o exame menos doloroso do que  os feitos anteriormente.

 

Notícias Relacionadas